Módulo Introdutório - Integração de Mídias na Educação
ETAPA 2

Ambientes de aprendizagem

Ensinar é organizar situações de aprendizagem, favorecer o levantamento e a identificação de temas ou problemas de investigação, discutir sua importância, possibilitar a articulação entre diferentes pontos de vista, reconhecer distintos caminhos a seguir na busca de sua compreensão ou solução, negociar redefinições, incentivar a busca de distintas fontes de informações ou fornecer informações relevantes, favorecer a elaboração de conteúdos e a formalização de conceitos que propiciem a aprendizagem significativa.

Nesta perspectiva, a criação de ambientes de aprendizagem, com a presença das tecnologias, significa utilizá-las para a representação, a articulação entre pensamentos e a realização de ações que podem ser depuradas e reformuladas com vistas a novos patamares de compreensão.

Para isso, as interações entre os alunos e entre os alunos e o professor são fundamentais para o processo de ensino e de aprendizagem.

Na interação com os colegas, na troca de idéias, experiências e reflexões viabilizadas presencialmente ou nos espaços virtuais de comunicação permitem ao aluno fazer comparações, diferenciações, estabelecendo novas relações e compreensões.

Na interação com o professor, o aluno sente que pode ser ouvido, questionado e também orientado para que o foco de suas vivências e análises possa potencializar a construção de conhecimento.

O ambiente de aprendizagem deve propiciar ao aluno desenvolver e reconhecer a sua autonomia no processo de aprender, expressando sua autoria naquilo que aprende fazendo, estabelecendo novas relações, vivenciando conflitos e buscando a sistematização de conceitos.

Nessa perspectiva, o trabalho por projeto tem mostrado seu alcance em termos de favorecer uma nova forma de ensinar e aprender que contempla saberes das diversas áreas de conhecimento, as habilidades e as diferentes tecnologias disponíveis na escola.

Nessa situação de aprendizagem, o aluno é instigado a contextualizar conceitos e estratégias de soluções já conhecidas e descobrir outros que emergem durante o desenvolvimento do projeto.

Em se tratando dos conteúdos, o trabalho por projeto permite romper com as fronteiras disciplinares, favorecendo o estabelecimento de elos entre as diferentes áreas de conhecimento em uma situação contextualizada de aprendizagem. Portanto, o trabalho por projeto potencializa o desenvolvimento da interdisciplinaridade.


Para saber mais sobre Interdisciplinaridade, leia:
Conversando sobre interdisciplinaridade a distância e Interdisciplinaridade: dicionário em construção, de autoria da professora Ivani Fazenda.

FAZENDA, Ivani C. A. Conversando sobre interdisciplinaridade a distância In: VALENTE, J. A.; PRADO, M. E. B. B.; ALMEIDA, M. E. B. de. (Orgs.) Educação a distância via Internet . São Paulo: Avercamp, 2003.  pp. 175-185

___________. (Org.). Interdisciplinaridade: dicionário em construção. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Outra referência importante:
FURLANETTO, E. Formação de professores: desvelando símbolos para pesquisar interdisciplinarmente. In ROLDÃO, M. do C. (org.) Inovação, currículo e formação. Porto: Porto Editora, 2000.

"(...) o projeto rompe com as fronteiras disciplinares, tornando-as permeáveis na ação de articular diferentes áreas de conhecimento, mobilizadas na investigação de problemáticas e situações da realidade. Isso não significa abandonar as disciplinas, mas integrá-las no desenvolvimento das investigações, aprofundando-as verticalmente em sua própria identidade, ao mesmo tempo em que estabelecem articulações horizontais numa relação de reciprocidade entre elas, a qual tem como pano de fundo a unicidade do conhecimento em construção" (Almeida, 2002, p. 58).

O conhecimento específico disciplinar oferece ao aluno a possibilidade de reconhecer e compreender as particularidades de um determinado conteúdo e o conhecimento integrado interdisciplinar dá a possibilidade de estabelecer relações significativas entre conhecimentos. Ambos se realimentam e um não existe sem o outro (PRADO, 2005a).

Esta forma de pensar deve orientar a prática do professor em relação à integração das mídias no desenvolvimento de projetos. Conhecer as especificidades e as implicações do uso pedagógico de cada mídia disponível no contexto da escola favorece ao professor criar situações para que o aluno possa integrá-las, de forma significativa e adequada ao desenvolvimento do seu projeto.


Com a integração de tecnologias na prática pedagógica se evidencia a importância de o professor desenvolver processos de gestão da sala de aula no que se refere aos processos de ensino e aprendizagem e respectivas estratégias mobilizadas, modalidades de interação e recursos empregados. É claro que ele já desenvolve esses processos mesmo quando não utiliza as tecnologias, mas nessa situação ele atua de modo quase intuitivo porque já tem o hábito bem elaborado. Entretanto, a entrada nesse processo de um novo elemento – a tecnologia - traz um outro sistema de representação simbólico e provoca a conscientização sobre a necessidade de desenvolver a gestão da prática pedagógica.


Leia o artigo Uma sala de aula no ciberespaço: reflexões e sugestões a partir  de uma experiência de ensino pela internet,deAndré Lemos, Cláudio Cardoso, Marcos Palácios, disponível em http://www.facom.ufba.br/ciberpesquisa/
txt_col1.htm