Tamanho da Fonte:Diminuir FonteAumentar Fonte
Leitura e autoria em suportes digitais (1 de 1)

A leitura desenvolvida em suportes virtuais utiliza escritas apoiadas em processos eletrônicos e em linguagens codificadas, que materialmente podem ser gravadas em suportes magnéticos (disquetes, cd-rom ou DVD). Muitas dessas leituras também estão disponíveis nas páginas da Internet. O suporte virtual oferece dificuldades para ser transportado, por isso, o ato de ler acaba sendo realizado em espaços circunscritos, o que vem a favorecer a leitura individual.

“Ler é mergulhar nas malhas da rede, é perder-se, é libertar-se, na medida em que a linearidade dá lugar ao hipertextual, ao móvel e flexível” (RAMAL, 2002). O hipertexto é um exemplo de texto que fugiu dos padrões e conseguiu inserir na sua constituição a hibridação; sua diferença significativa é a concepção.

A partir daqueles elos virtuais o hipernavegador pode seguir por rotas diferentes das originalmente organizadas pelo seu autor. Ou seja, os nós/elos hipertextuais diluem qualquer “contrato” supostamente firmado entre autor e leitor – como parece ocorrer nos livros convencionais – que estabeleça a chegada da viagem – leitura pelo texto eletrônico ao seu porto final.

O hipertexto concede ao leitor certas funções de autoria: a possibilidade de agregar nodos, criar conexões, utilizar filtros. O papel do autor também se expande para abranger muito mais que a simples escrita: pode assumir a apresentação e o projeto do livro, criar gráficos, produzir animações, vídeos, efeitos sonoros, fotografias ou textos orais, e determinar as diversas ações do programa.

Para Cavalcante (2004), a identidade do hipertexto virtual se dá na presença e utilização de seus constituintes internos: os nós e links. São eles que garantem a arquitetura textual assumindo um funcionamento extratextual, pois monitoram o leitor para um exterior discursivo.

Os links promovem ligações entre blocos informacionais (outros textos; fragmentos de informação: palavra; parágrafo; endereçamento) conhecidos como nós. No entanto, estes blocos não necessitam es­tabelecer uma relação sêmica entre si, isto é, as ligações possíveis não formam· necessariamente a tessitura daquele texto específico, mas promovem a abertura para outros textos.

Observe, por exemplo, a homepage do Portal do Professor; nela há links para vários materiais (Espaço da Aula, Jornal do Professor, Recursos Educacionais, Cursos e Materiais, Interação e Comunicação e Links). Esses links apontam para materiais diversos. Já no interior de um texto ou imagem, as conexões estabelecidas pelos links tendem a funcionar como as conhecidas notas de rodapé dos textos impressos. Num caso ou noutro, tais conexões promoverão a possibilidade de novos ingredientes que gravitem  aquela  tessitura.

 

A partir do material lido até aqui, amplie o quadro abaixo, distinguindo texto de hipertexto.

Texto

Hipertexto

- Escrita linear
- Não permite imagens em movimento
- Necessita ser transportado

- Escrita hipertextual
- Permite imagens e movimento
- Maior facilidade de acesso em inúmeros locais na Internet


Para saber mais!
Para ampliar suas leituras sobre o histórico e importância do hipertexto, acesse os textos Hipertexto: evolução histórica e efeitos sociais e Hipertexto como instrumento para apresentação de informações em ambiente de aprendizado mediado pela internet.

Após estudar "Leitura e autoria em suportes digitais", você poderá continuar seu estudo indo ao outro tópico da etapa clicando no link ASSUNTO ou no botão Avançar.

Versão em PDF
Versão para impressão