Módulo Intermediário
Mídia Rádio

Botões de controle Página Anterior Página Inicial Próxima Página
icone radio

Ecossistemas Comunicativos

Rádio e escola: a tecnologia a serviço de ecossistemas comunicativos e do protagonismo juvenil

Eliany Salvatierra
Doutoranda em Comunicação – ECA/USP

Silene Lourenço
Mestre em Comunicação - Faculdade Cásper Líbero

(Achou o título estranho? Então, antes de ler o texto, escute os spots – breves peças de rádio – que selecionamos para você.)

Educomunicação
Para a educomunicação, a técnica só se justifica se estiver a serviço da humanização das práticas educativas, favorecendo os ecossistemas comunicativos.

“As idéias estão no chão, você tropeça e acha a solução”, diz a letra de uma das músicas gravadas pelo grupo Titãs.

A primeira experiência com rádio e educação nasceu provavelmente de um desses momentos em que o tropeço é tão forte a ponto de cairmos no chão com a cabeça e os olhos voltados para o alto. Nesse caso, as idéias estavam no ar: nas ondas do rádio foi vislumbrada uma possível solução.

Não falamos de mágica, milagre ou de experiências definitivas. Falamos de iniciativas, na maioria das vezes bem sucedidas, que apontam caminhos para a tão almejada melhoria do ensino.
Falar de rádio sob o ponto de vista da educomunicação – e o mesmo vale para outras mídias como a televisão ou a internet – não significa superestimar o valor da técnica. Ao contrário, quando aplicadas à educação, as novas tecnologias devem estar a serviço da humanização.

Devemos pensar na apropriação das novas tecnologias não com o objetivo de alimentar a competição desenfreada e ilusória, mas para criar e alimentar ecossistemas comunicativos, com o objetivo de formar cidadãos mais críticos e uma sociedade mais justa e humana.

Segundo o Prof. Ismar de Oliveira Soares, ecossistemas comunicativos são espaços onde professores, funcionários, alunos e seus pais ou responsáveis, sentam, dialogam e discutem os problemas da escola, da comunidade ou mesmo do Estado, de forma franca e aberta, usando os recursos tecnológicos sempre que possível para potencializar essas relações. 

Pés no chão, cabeça nas estrelas.

Atividade 2

Voltar ao topo